Portal Pepper

O livro "A Humanidade Desgovernada" reflete sobre dilemas contemporâneos

A editora Chiado Books lança a obra como manifesto a favor do debate sobre onde estamos e para onde queremos ir
Por: Redação |  Foto: Divulgação |  Data: 09 de Maio 2020
O livro

Nunca antes na história da humanidade vivemos uma era de mudanças tão rápidas e profundas, a ponto de nos fazerem questionar todos os nossos valores e parâmetros. Temas como ética, poder e solidariedade são diariamente postos à prova em nossos relacionamentos pessoais, sociais e profissionais.

Estas transformações foram o ponto de reflexão e partida para o livro "A Humanidade Desgovernada", de Luiz Carlos de Andrade, que propõe 365 dilemas existenciais, sociais, morais e políticos em forma de verso, ao mesmo tempo surpreendente e simples, capaz de impactar o mais leigo dos leitores.

O autor Luiz Carlos de Andrade é um baby-boomer legítimo, habilitado a falar, por experiência, desde temas do pós-guerra até aqueles que nos afligem nos dias de hoje. E não mede palavras na melhor tradição dos Andrade na literatura. Assim, os dilemas que apresenta no livro, na forma de perguntas, contemplam a mais completa atualidade bem como ecos do passado recente. Afinal, as certezas ou as incertezas da condição humana em 2020 não são exatamente datadas e assombram igualmente baby-boomers, e as gerações X, millennials e Z.

Aqui, vale ressaltar que o autor teve uma visão um tanto "profética", pois os dilemas que compõem o livro, escritos antes da atual pandemia, são agora, mais do que nunca, atuais: Vale quem se leva muito a sério ou quem prefere ter critério? Vale soar o alarme ou é preferível manter o charme?

São questões como estas que se colocam diariamente à nossa frente, em um momento em que nos deparamos com uma situação sem precedentes na história recente da humanidade.

a humanidade desgovernada

Os leitores encontrarão no livro a possibilidade de responder os dilemas e quiçá encontrar algum alívio, algum novo caminho, alguma descoberta no mais puro sentido psicanalítico da indução da solução.

O autor foi várias coisas na vida, de advogado a publicitário, mas se reconhece como poeta e acredita no poder curativo da poesia. Como no verso "Vale a serenidade da varanda, ou o celular que comanda?" Ou "Vale a generosidade, ou a melhor casa da cidade?".

E por aí segue o livro nos dilemas que ora apelam à leveza ora à acidez. Segundo Andrade: "a poesia, além de encantar, se presta à missão de tirar as pessoas do lugar".

Nada mais definidor de "A Humanidade Desgovernada" do que a sua capacidade de impactar leitores para além das zonas de conforto que anestesiam, tolhem, censuram, porém parecem agradáveis e seguros. Ainda conforme Andrade: "buscar a felicidade é saber amar a trajetória que, por natureza, acontece triste e alegre ao mesmo tempo".

Para efeito de estilo, "A Humanidade Desgovernada" é um pouco de prosa, de ensaio e de filosofia, mas, sobretudo, um muito de poesia e boa subversão. O autor acredita que a poesia é uma espécie de terrorismo do bem! Que assim seja e que o livro possa aquecer ou irritar quem ousar a sua aquisição. 110 páginas. R$ 33.