Portal Pepper

O Sal da Terra – O ser humano está fadado à destruição

Um documentário belo e sensível
Foto: Sebastião Salgado/Divulgação |  Data: 14 de Abril 2015
O Sal da Terra – O ser humano está fadado à destruição

Por Rubens Ewald Filho

Foi uma pena não ter estreado no Brasil antes do Oscar, quando foi indicado oficialmente ao prêmio. Já se temia que não fosse ganhar, não porque não merecesse a meu ver é sem duvida o melhor da safra. Um trabalho delicado, sincero, de fazer chorar. E pensar muito.

Muito superior ao vencedor o confuso Citizen Four, mas todo mundo sabe que os americanos são muito auto-centrados e ignorantes dos problemas no resto do mundo. Ganhou, porém em Cannes, Prêmio Especial do Júri no Un Certain Regard, mais o César de melhor documentário, foi indicado ao Goya e Independent Spirit. Ganhou ainda nos Festivais de San Sebastian e Munich, ambos importantes.

Eu gosto muito também do documentário brasileiro feito sobre Sebastião Salgado e que foi premiado em Gramado, dirigido por Betse de Paula (que não consta do IMDB), chamado Revelando Sebastião Salgado, feito na intimidade de sua casa em Paris, por vezes muito revelador e descontraído. Não é melhor ou pior que este, é diferente. Aqui ele tem uma chance maior de revisar toda sua carreira, aprofundar a obra e até a vida pessoal. Mas é um filme pesado porque simplesmente ele por diversas vezes caminhou em pleno inferno e não se consegue nem imaginar como conseguiu escapar relativamente ileso. Ao menos de cabeça. (ainda que confesse um pouco surdo).

o sal da terra 2

Sou admirador confesso da obra de Sebastião, de quem tenho adquirido as obras e ficado de queixo caído com seu poder de captar instantâneos de vida e morte, de lugares e momentos, com uma sensibilidade (e piedade!) que o levam num determinado momento do filme ao desabafo: chegando a conclusão de que o ser humano realmente não presta, não tem saída, está fadado à destruição. Embora seja fácil compartilhar desse pensamento vendo as imagens que ele captou dos incêndios de poços petrolíferos no Kuwait, das mulheres e velhos que fugiam dos Sérvios, dos fugitivos de Rwana que se esconderam nas florestas do Congo, com a morte certa. De crianças que estão morrendo de fome com uma coragem inacreditável.

Wim Wenders se apresenta como admirador de Salgado, primeiro descobrindo-o por acaso numa exposição, depois basicamente ouvindo o artista enquanto relembra seus livros mais importantes, os lugares mais notáveis chegando a uma conclusão muito feliz, que é o seu retorno ao Brasil, a velha fazenda dos pais em Minas Gerais, que ele com a mulher de família conseguiu reflorestar como Mata Atlântica e hoje já é um parque. Só na natureza encontra a resposta para uma compreensível angustia em ser um repórter de guerras.

sebastião salgado 2

O filho participa com mais discrição já que Sebastião Salgado é a grande figura como artista e como ser humano. Confesso que tive que lutar contra a emoção de muitos momentos que ele retratou. E achei a floresta, a solução perfeita para encerrar este belo e sensível documentário.

O Sal da Terra (The Salt of the Earth) - 110 min. Documentário. Direção de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado.

Confira o trailer:

  Vídeos

  Artigos Relacionados

O Duelo – O filme é irregular em tudo O Duelo – O filme é irregular em tudo
Depois de anos aguardando os direitos da história de Jorge Amado, por que estragar tudo com um pôster horrível e mau feito, um titulo que além de não ...
Velozes e Furiosos 7 - O novo filme funciona muito bem Velozes e Furiosos 7 - O novo filme funciona muito bem
Lembram-se da época em que se ia ao cinema e se admirava comentando "Tal carro só falta voar". Pois nesta série Velozes e Furiosos que chega a forma a...
Revelando o segredo da fotografia da criança síria Revelando o segredo da fotografia da criança síria
Certa imagem chamou a atenção de milhares de pessoas nesta última semana, trata-se da fotografia de uma criança se rendendo ao confundir uma máquina f...
O Garoto da Casa ao Lado - Não dá para ser levado a sério O Garoto da Casa ao Lado - Não dá para ser levado a sério
Conheci o diretor Rob Cohen quando ele veio rodar um comercial no Brasil e fizemos uma longa entrevista, muito emocional (ele chorou muito inclusive) ...