Portal Pepper

Notícias

 

O poeta está vivo - Relembre a trajetória do mito

Cazuza levava a vida regrada a sexo, drogas e rock n' roll
Foto: Divulgação |  Data: 04 de Abril 2015
O poeta está vivo - Relembre a trajetória do mito

Carioca da gema, Agenor de Miranda Araújo Neto nasceu para fazer história. Filho do produtor fonográfico João Araújo e de Lucinha Araújo, o apelido estava decidido antes do nascimento, por insistência da avó paterna.

Não gostava do seu nome até descobrir que um dos seus ídolos, Cartola, atendia pela mesma nomenclatura. O garoto cresceu e a música se tornava, cada vez mais, o único caminho. A língua presa não impediu que Cazuza se arriscasse num grupo de garagem, ainda desconhecido do grande público, um tal Barão Vermelho. Formado, até então, por Frejat, Dé, Maurício Bastos e Guto Goffi, a banda que só tocava covers passou a criar um repertório próprio.

A sensibilidade parecia inseparável da ponta das canetas do novo integrante, que bebia a vida como poucos e tragava cada beque como se fosse o último. Da mente, que para muitos era insana, saia verdadeiras obras primas. E o tempo nos prova isso. Cazuza faleceu aos 32 anos e talvez por isso permaneça um eterno jovem na memória dos fãs.

barão vermelho

Suas canções, pelo contrário, cresceram, amadureceram e se tornaram clássicos da música brasileira, como bem descreveu um mito. Com o Barão Vermelho, Cazuza fez shows históricos. No Rock in Rio de 1985, a apresentação da banda tornou-se antológica por coincidir com a eleição do presidente Tancredo Neves. Surgia uma esperança. O Brasil sonhava um futuro que nunca chegou. Canções como Bete Balanço, Maior Abandonado, Por que a gente é Assim? e Pro Dia Nascer Feliz impulsionaram o estrondoso sucesso do grupo.

A carreira solo veio e a canção Exagerado o acompanhava. O moleque homossexual levava a vida regrada a sexo, drogas e rock n' roll. Cazuza sempre fora um hedonista nato. O viver aqui e agora era o que valia. Personalidade forte, não abaixa a cabeça quando estava certo de suas convicções. Compunha Ideologia, Tempo Não Para, Burguesia e Faz Parte do Meu Show como prova cabal da genialidade.

aids

Em 1987, Cazuza descobre ser portador do vírus HIV. O destino, quase sempre injusto e cruel, cobrava o seu preço. Dois anos depois, o Brasil perdia o Noel Rosa do rock, um dos grandes ícones nacionais. Cazuza fez suas escolhas, foi irresponsável, quis levar a vida assim, no presente. Não queria saber do passado nem esperava muito do futuro.

O garoto rebelde não se contentava em existir. Cazuza viveu! E, como escreveu Frejat há certo tempo, o poeta não morreu.

  Artigos Relacionados

Renato Russo faria 55 anos Renato Russo faria 55 anos
Falar em rock nacional sem mencionar a Legião Urbana é daquelas insanidades imperdoáveis. Vivia-se no Brasil da ditadura, da transição Geisel – Figuei...
Mamonas Assassinas: 19 anos de saudades Mamonas Assassinas: 19 anos de saudades
O auge do rock nacional já havia passado. Nomes como Raul Seixas e, posteriormente, bandas como Titãs, Legião Urbana, Ultraje a Rigor, Paralamas, Barã...
Ayrton Senna completaria 55 anos Ayrton Senna completaria 55 anos
Ser ídolo de qualquer outro esporte que não seja o futebol no Brasil não é tarefa das mais fáceis. Tivemos alguns, é bem verdade, mas poucos se aproxi...
Elis Regina: 70 anos de uma eternidade de vida Elis Regina: 70 anos de uma eternidade de vida
Para quem viveu e se lembra, os 33 anos passados da morte de Elis Regina foi como um vulto. Hoje, a maior intérprete que o Brasil já viu completaria 7...
Tim Maia: A vida do sujeito da música, do beco e dos beques Tim Maia: A vida do sujeito da música, do beco e dos beques
Das grandes questões que norteiam a humanidade, sem sombra de dúvidas, aquela que envolve a vida e a morte se torna a mais complexa. Vislumbrar o outr...

Outros Assuntos

Abacaxepa lança clipe de “Picadinho” que íntegra o álbum “Caroço” Abacaxepa lança clipe de “Picadinho” que íntegra o álbum “Caroço” A banda Abacaxepa acaba de lançar o videoclipe da canção "Pi...
Saiba +
Renata Brás estreia websérie em meio à quarentena Renata Brás estreia websérie em meio à quarentena Atualmente no ar com a reprise do humorístico "A Praça é Nos...
Saiba +
“O empreendedorismo de verdade se encontra na periferia”, comenta Facundo Guerra “O empreendedorismo de verdade se encontra na periferia”, comenta Facundo Guerra Conhecido na noite paulistana, Facundo Guerra é responsável ...
Saiba +
"Na favela não se espera oportunidades, nós a criamos", diz Rick Chesther Foi-se o tempo em que as favelas e suas histórias eram relat...
Saiba +
Theatro Municipal SP apresenta “A Biblioteca de Babel” Theatro Municipal SP apresenta “A Biblioteca de Babel” O Theatro Municipal de São Paulo, ligado à Secretaria Munici...
Saiba +
Alba Flores estrela campanha vegana da PETA Alba Flores estrela campanha vegana da PETA Alba Flores, conhecida mundialmente por sua personagem Nairó...
Saiba +