Portal Pepper

Silvio de Abreu: "Não adianta estudar se você não tem talento"

O autor fala sobre suas novelas, preferências e polêmicas
Foto: Divulgação |  Data: 20 de Março 2015
Silvio de Abreu:

Silvio Eduardo de Abreu ou, simplesmente, um dos melhores autores da teledramaturgia brasileira, Silvio de Abreu. Paulistano nato, vive, escreve e respira São Paulo todos os dias.

Conhecedor da capital paulista como ninguém, é famoso pelos suspenses que envolvem seus personagens como em A Próxima Vitima, Torre de Babel, Rainha da Sucata, Cambalacho, Passione e seu remake de Guerra dos Sexos.

Portal Pepper: Você já foi ator. Conta sobre essa experiência?
Silvio de Abreu: Péssima. Sou péssimo ator, não tenho talento para ser ator. Fiz oito novelas, trabalhei oito anos como ator, fiz várias peças de teatro, fiz filmes. Ser ator não é só decorar texto e falar igual papagaio, igual muitas pessoas falam. Ser ator é ter o poder da transformação, de você conseguir se colocar naquele personagem. Pra você ser ator deve ter um talento especial. Não adianta querer ser ator, e não adianta estudar se você não tem talento.

PP: No inicio de sua carreira você dirigiu pornochanchada. Como foi essa fase?
SA: Ótima. Aprendi muita coisa. Além de divertido foi uma liberdade de criação muito grande. Foi ali que aprendi a mexer com câmera, analisar script e onde comecei a escrever.

PP: Suas tramas são ligadas ao universo policial. Você se identifica com esse estilo?
SA: Eu gosto muito, é meu gênero predileto. Eu gosto de comédia, policial e melodrama, minhas tramas sempre misturam esses três gêneros.

silvio novela

PP: Suas histórias são sempre baseadas em São Paulo. Seria porque você é um paulistano nato?
SA: Na verdade é a cidade que eu conheço melhor. E quando você está escrevendo novela, você não pode ficar somente preso à pesquisa. Você precisa fazer a novela mais próxima do telespectador. As novelas não se passam em São Paulo, elas são sobre os paulistanos, eu conheço bem o povo paulistano. Se você escreve uma novela carioca, eu tenho que conhecer o povo carioca, não é só a cidade, é o espirito da cidade que faz dar certo.

PP: O que você mais gosta em São Paulo?
SA: São Paulo tem de tudo, eu gosto da variedade. É uma cidade péssima e excelente, tem de tudo, tem assalto, buraco, um trânsito horroroso, mas têm restaurantes maravilhosos, ruas lindas, cinemas excelentes, vários teatros, hoje em dia tem uma produção teatral maravilhosa. É uma cidade que você encontra de tudo, é igual à New York. Adoro a região do Jardim Paulista.

PP: A que se deve o fracasso de audiência da novela As Filhas da Mãe, que saiu do ar antes do previsto?
SA: Falta de comunicação entre minha pessoa e o público. Sempre que uma novela não dá certo, é que eu não consegui transmitir minhas ideias ao público. Ela tinha uma narrativa muito difícil. Ela tinha um público forte, mas pequeno, um público de classe A, adolescentes e até universitário muito forte, era uma novela que tinha projeção, mas o grande público noveleiro, que são as donas de casa, não é que não gostavam, eles não entendiam.

SILVIO DE ABREU E JORGE FERNANDO

PP: Você abordou homossexualidade em A Próxima Vítima, lesbianismo em Torre de Babel. Esses personagens seriam como um "acorda sociedade"?
SA: E também abordei o tema em A Boca do Lixo. Cada uma delas teve um propósito, não seria um alerta, a novela ajudou muito a abrir a cabeça da população, não só as minhas, mas no geral, tenho certeza que hoje em dia o homossexualismo não é visto da mesma maneira de como era visto há 20 anos, tenho plena certeza. É só você ver as paradas gays que tem. Não que seja obrigação das pessoas se mostrar eu sou isso, ou sou aquilo. Mas se estão se mostrando é porque existe uma tolerância maior da sociedade em relação ao tema. As novelas da TV Globo são responsáveis por grande parte disso.

PP: O que acha sobre o beijo gay na televisão?
SA: É uma bobagem isso, uma besteira. O que a televisão não quer é assustar o telespectador. Você deve pensar em quem está assistindo, não pode ser agressivo, então pra que fazer isso. Você vai contentar a parte dos gays, e terá um monte de gente que é o grande público dizendo "ai que nojo não quero ver isso". A televisão funciona como um espelho da sociedade.

PP: Porque você repete alguns personagens em outras novelas?
SA: Eu precisava de um personagem que trabalhasse com o Gianecchini na oficina, em Passione, meio bobo, ingênuo, eu pensei esse personagem está igual ao Jamanta de Torre de Babel, então eu já boto o mesmo, pra que mexer se o personagem já existe.

PP: Qual a melhor novela da TV brasileira? E qual seu maior personagem?
SA: Teve duas. Vale Tudo e Que Rei Sou Eu. Do Gilberto Braga e do Cassiano Gabus Mendes. Teve também Mulheres de Areia, nas duas versões foram ótimas. É tão difícil falar dos personagens, não sei te responder.

silvio de abreu e fernanda montenegro

PP: Filme que não pode faltar em seu acervo?
SA: Não pode faltar a coleção do Hitchcock.

PP: Como foi ganhar o Prêmio de Melhor Novela do mundo na Ásia?
SA: Foi divertidíssimo. Foi com a Passione

PP: Porque atores gays não devem sair do armário?
SA: O galã é o sonho da telespectadora, ela sonha com aquele cara, ela corta a fotografia dele e coloca no armário dela. Quando ela descobrir que ele é gay, o sonho acaba. As pessoas imaginam que ser é não gostar de mulher, e não é, é outra coisa. Se o ator quiser se assumir é o problema dele, mas ele vai perder papel. Agora se ele faz outro tipo de personagem e nunca o galã, ai tudo bem. Mas se ele faz o sonho de amor, ele é idiota, se chegar e dizer eu sou gay, é um tremendo idiota.

  Artigos Relacionados

Rosamaria Murtinho: “A coisa chata da vida é a morte” Rosamaria Murtinho: “A coisa chata da vida é a morte”
Rosa Maria Pereira Murtinho é uma atriz com um talento incomparável e carisma sem igual. Conhecida por Rosamaria Murtinho, nascida em Belém do Pará, t...
Bóris Casoy: “Isso é uma vergonha” Bóris Casoy: “Isso é uma vergonha”
Bóris Casoy completou recentemente, 74 anos de vida. Em meio a tantas polêmicas que rondam o seu nome, o âncora concedeu esse bate-papo de forma simpl...
Ronnie Von: “Tenho uma visão feminina da vida” Ronnie Von: “Tenho uma visão feminina da vida”
Ronaldo Lindenberg Von Schilgem Cintra Nogueira, mundialmente conhecido como Ronnie Von, nasceu na cidade de Niterói, Rio de Janeiro. Neste ano, compl...
Maria Helena Vianna: A riqueza de Alagoas Maria Helena Vianna: A riqueza de Alagoas
Maria Helena Vianna é top model e recentemente iniciou sua carreira no Brasil como atriz, e já começou bem, pois seu primeiro papel foi em Fina Estamp...
Tio Che: “A cena punk rock continua viva” Tio Che: “A cena punk rock continua viva”
A banda Tio Che é formada por cinco rapazes, da região do Grande ABC, em São Paulo, com um som intitulado de punk rock safado, os meninos seguem influ...
Cássio Scapin: “Castelo Rá-Tim-Bum foi uma experiência genial” Cássio Scapin: “Castelo Rá-Tim-Bum foi uma experiência genial”
Cássio Luiz de Souza Scapin, nacionalmente conhecido como Cássio Scapin, com 50 anos de vida, esse ator paulistano multifacetado deu vida a inúmeros p...