Portal Pepper

Notícias

 

Rosamaria Murtinho: “A coisa chata da vida é a morte”

Prestes a completar 80 anos, a atriz irradia auto confiança e o prazer em estar viva
Foto: Divulgação/Rede Globo |  Data: 02 de Março 2015
Rosamaria Murtinho: “A coisa chata da vida é a morte”

Rosa Maria Pereira Murtinho é uma atriz com um talento incomparável e carisma sem igual. Conhecida por Rosamaria Murtinho, nascida em Belém do Pará, terra do calipso e da castanha, chegou ao Rio de Janeiro para se tronar patrimônio da arte brasileira.

Em um bate papo agradável, entre um assunto e outro, a atriz interrompia a entrevista para opinar, por exemplo, sobre a Lei da Ficha Limpa, pois, durante a conversa, a TV do camarim estava ligada no Jornal Nacional.

Leia a entrevista completa:

Portal Pepper: Você nasceu em Belém do Pará. O que fez sua família partir ao Rio de Janeiro?
Rosamaria Murtinho: Na verdade minha família Murtinho é do Rio de Janeiro. Meu pai era engenheiro agrônomo foi trabalhar no norte, e como diria o ditado "quem foi ao Pará parou, bebeu açaí e ficou". Ele se apaixonou pela minha mãe, ficaram noivos, ele voltou ao Rio de Janeiro, casou com minha mãe. Voltaram ao Pará, eu nasci e fui com 21 dias de vida para o Rio de Janeiro, em Ipanema. Hoje eu moro no Rio de Janeiro, morei treze anos em São Paulo.

PP: Você morou nos Estados Unidos durante um ano. O que foi fazer nas terras do Tio Sam?
RM: Eu ia estudar Direito, terminei o ginásio por lá. E voltei em seguida para o Brasil.

PP: Como nasceu o interesse pelo teatro?
RM: Meu irmão tinha um teatro em Ipanema, era um grupo que fazia teatro amador, inclusive Paulo Francis fazia parte desse grupo. Uma das meninas ficou doente, e eu sempre ia ao ensaio, mas nunca tive sonho de entrar no palco. Ela adoeceu, e o Paulo Francis disse, "Murtinho não tem ninguém para o lugar, coloca tua irmã mesmo, se não a gente não estreia". E eu nunca mais sai.

rosamaria murtinho

PP: Foi ai então que você se apaixonou pelo teatro?
RM: Gostei do teatro sim, mas o teatro me escolheu. Apaixonada mesmo eu sou por dança, por balé. Se eu pudesse eu seria bailarina, mais do que atriz, sem dúvida. Quando eu tinha entre 13 e 14 anos eu tive uma lesão no joelho, deixei ai fui viajar, depois entrei no teatro e nunca mais. O teatro me conquistou. Até eu fico um pouco com uma inveja branca, quando as pessoas dizem a única coisa que eu gosto da minha vida é estar em cena. Eu fico olhando, meu Deus do Céu tem tantos objetos de prazer na minha vida, que atuar não é o único. Eu tenho uma vida pessoal, interior muito boa, pra ficar dependendo de coisas só externas.

PP: Então entre teatro e dança, você escolhe a dança?
RM: Com a dança, sem dúvida.

PP: No inicio da carreira, você foi trabalhar em Portugal, como foi essa experiência?
RM: A Maria Della Costa me convidou e eu fui, foi super interessante, a televisão no Brasil estava nos primórdios ainda. O Sandro Polônio, marido da Maria, me viu trabalhar no teatro no Rio, com o grupo do meu irmão, eu estava lá e me convidou.

PP: Você conheceu o Mauro Mendonça na década de 50. Em qual trabalho?
RM: Numa peça do Abílio Pereira de Almeida, Rua São Luís, 27, oitavo andar. A peça era aqui em São Paulo, eu vim pra substituir uma amiga, a Verônica que quebrou o pé. O Abílio tinha me visto na Maria Della Costa, já sabia de mim, e me levou pra trabalhar no TBC. Este ano comemoramos 53 anos de casamento.

PP: 56 anos de casados. Como é a convivência?
RM: Foi bom, que passamos oito anos separados, e deu pra valorizar.

mauro e rosamaria

PP: Você é mãe de três filhos homens, sentiu falta de ter uma filha?
RM: Senti, sempre. Tenho quatro netas e um neto. E tenho minha nora querida a Juju, que é casada com o Maurinho, Mauro Mendonça Filho, inclusive ele me dirigiu na minissérie O Astro. E meu outro filho está fazendo a trilha sonora para a novela Fina Estampa.

PP: Você prefere atuar em cinema ou televisão?
RM: Eu atuei em um longa só. Fiz uma participação em outro também. O primeiro filme que eu fiz eu ganhei um kikito [prêmio máximo concedido no Festival de Gramado] com o 1 de abril, da Maria Leticia. Gostei muito de ter participado. Eu tive azar de começar no cinema quando houve aquele problema no cinema na década de 90.

PP: Você pretende voltar ao cinema?
RM: Se tiver um papel pra bruxa de repente. [muitos risos]

PP: Qual papel você adoraria interpretar e qual marcou mais sua carreira?
RM: O papel que marcou mais, a gente sempre diz que foi o último. Mas no teatro gostei muito de ter feito "Pequenos Burgueses", "O Abre Alas" da Maria Adelaide Amaral, "Isaurinha Garcia" e agora estou fazendo com a Natália Timberg um maravilhoso, "Um sopro de vida" a gente vai 2 de março Limeira e depois Piracicaba. Eu gostaria de ter feito "Um Bonde Chamado Desejo", mas agora não tenho mais idade pra isso.

rosamaria em o espigão

PP: Está prestes a completar 80 anos de idade, qual é o segredo da sua vitalidade?
RM: Não pensar muito na idade, em velhice. Idade não faz mal. Jovens fiquem velhos. A coisa chata da vida é a morte.

PP: Qual palavra te define?
RM: Eu acho muito difícil eu me definir. Ou você fica presunçosa e fala coisas maravilhosas, ou você fica com a alta estima baixa, e se deprime. Eu deixo os outros me analisarem. Eu posso dizer que sou uma pessoa leal com os amigos. Talvez lealdade seja algo marcante para o escorpião, eu tenho uma ética com os amigos que eles gostam muito.

rosamaria em 7 pecados

  Artigos Relacionados

Maria Helena Vianna: A riqueza de Alagoas Maria Helena Vianna: A riqueza de Alagoas
Maria Helena Vianna é top model e recentemente iniciou sua carreira no Brasil como atriz, e já começou bem, pois seu primeiro papel foi em Fina Estamp...
Bóris Casoy: “Isso é uma vergonha” Bóris Casoy: “Isso é uma vergonha”
Bóris Casoy completou recentemente, 74 anos de vida. Em meio a tantas polêmicas que rondam o seu nome, o âncora concedeu esse bate-papo de forma simpl...
Ronnie Von: “Tenho uma visão feminina da vida” Ronnie Von: “Tenho uma visão feminina da vida”
Ronaldo Lindenberg Von Schilgem Cintra Nogueira, mundialmente conhecido como Ronnie Von, nasceu na cidade de Niterói, Rio de Janeiro. Neste ano, compl...

Outros Assuntos

Sobreviventes da bomba atômica de Hiroshima falam sobre o ocorrido em SP Sobreviventes da bomba atômica de Hiroshima falam sobre o ocorrido em SP Acontece no dia 27 de fevereiro, no Teatro João Caetano, em ...
Saiba +
Coldplay divulga clipe de “Cry Cry Cry”. Assista Coldplay divulga clipe de “Cry Cry Cry”. Assista A banda Coldplay divulgou o videoclipe da canção "Cry Cry Cr...
Saiba +
Japan House São Paulo recebe a obra”Construção” de Tadashi Kawamata Japan House São Paulo recebe a obra”Construção” de Tadashi Kawamata A Japan House São Paulo apresenta, entre os dias 4 de fevere...
Saiba +
Shen Yun resgata cultura chinesa em São Paulo Shen Yun resgata cultura chinesa em São Paulo O grupo de dança Shen Yun desembarca no Unimed Hall, em São ...
Saiba +
Hilton São Paulo Morumbi prepara drinks especiais para o Valentin’s Day Hilton São Paulo Morumbi prepara drinks especiais para o Valentin’s Day Considerado o dia mais romântico do mundo, o Valentine's Day...
Saiba +